coluna kleber

Os índices de delitos praticados no Rio publicados pelo Instituto de Segurança Pública e divulgados recentemente (O Globo de 28/10) apontaram para um crescimento que começa a afetar o comercio de diversos bairros da cidade. Os roubos de carga aumentaram 66,7%, os roubos de celulares 18,5%, e os assaltos em coletivos subiram tendo sido registrados 1.141. Em 2014, 661 estabelecimentos comerciais foram vítimas dos meliantes.

Os números de 2015 ainda não foram fechados, porem as estatísticas mensais do ISP demonstram um recrudescimento dos eventos delituosos.

Diante dos números alarmantes a Fecomércio, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas promoverá um plano de ações para colaborar com o Estado na minimização do problema, uma prioridade para o desenvolvimento do comércio.

Para tanto um convênio foi assinado entre a Fecomércio e o Governador Pezão para estender o projeto Lapa Presente ao Meier, Lagoa e Aterro do Flamengo, com um custo previsto de 22 milhões de reais ao ano. No ato da assinatura do convênio o Governador prometeu a incorporação de 6.000 homens na PM e 750 na Polícia Civil.

Na Barra não poderia ser diferente e as estatísticas demonstram índices criminais mais elevados em que pesem as subnotificações causando um aumento da sensação de insegurança.

Conforme divulgamos nesta coluna no mês passado as associações de moradores e comerciais resolveram se unir e formar um grupo de trabalho para, com o patrocínio do empresariado local, construir um plano de apoio à Secretaria de Segurança. O GT pretende atrair para o projeto os condomínios, shoppings, concessionarias de automóveis, bancos, comercio em geral e hotelaria.

Dois projetos já foram examinados pelo GT o VIA LEGAL e o BAIRRO MAIS SEGURO. O primeiro, envolvendo os Delegados Titulares da 16ª e 42ª DP, os Comandante do 31º BPM, a SEOP e a Secretaria de Assistência Social visa reduzir o número de pedintes e vendedores ambulantes nos cruzamentos das nossas principais avenidas. O segundo projeto, mais ambicioso, prevê o monitoramento eletrônico, através de câmeras a serem instaladas pelos parceiros e direcionadas para uma central que será instalada na 31ª AISP (Barra, Recreio e Vargens) em área cedida pela iniciativa privada.

Em paralelo está em estudo uma extensão do projeto LAPA PRESENTE em torno do Barra Shopping ao custo aproximado de 12 milhões ao ano. Os dois projetos não colidem, pelo contrário se completam.

Para execução de qualquer dos projetos será assinado convênio com o Governo do Estado, regulamentando a participação comunitária e a cessão das imagens ao Poder Público.

A Barra da Tijuca representada pela sociedade civil organizada, vai de encontro e atenderá aos apelos do Secretário de Segurança contribuindo, na forma do que determinam as leis vigentes, para um bairro mais seguro e tranquilo para se viver e trabalhar.

Contamos para essa tarefa com os empresários, mas é imprescindível a participação de toda a população da Grande Barra.

 

 

Kleber Machado