coluna kleber

Não podia vir em pior hora o anunciado corte de verbas orçamentarias da Secretaria de Segurança: a proximidade dos Jogos Olímpicos e o recrudescimento dos embates entre a polícia e os traficantes, cada vez mais ousados.

A paralização dos projetos das UPPs, o sucateamento do material rodante, a rescisão dos contratos com a OI (190) e com a Embratel (transmissão de imagens das câmeras) a estagnação do programa RAS – Regime Adicional de Serviço, causará enorme queda do nível de segurança nas ruas, justamente quando vamos receber atletas e turistas de todos os países que irão participar das Olimpíadas de 2016 em agosto.

Nas delegacias distritais e no Centro Integrado de Controle e Comando, segundo os jornais noticiam, os serviços já estão precários pelo cancelamento de contrato de serviços terceirizados. Na PM a efetividade e rapidez de atendimento do BOPE e do BP Choque será afetada e o policiamento ostensivo sensivelmente reduzido.

Diante deste quadro e, como a situação de dificuldades financeiras do Estado deve se prolongar por todo o ano de 2016, talvez de 2017, temos que dar boas vindas aos projetos de segurança implantados com apoio dos empresários e denominados Segurança Presente que busca uma solução para parte do problema em alguns bairros do Rio.

Louvável, igualmente, a postura dos empresário e moradores de nossa região, oferecendo o financiamento do projeto Bairro Seguro que congregará a sociedade civil organizada na busca de uma melhor sensação de segurança e da diminuição da criminalidade, pelo monitoramento eletrônico das principais vias da Barra e do Recreio.

Para tanto uma ONG está sendo organizada para implantar o projeto, recolher fundos e geri-lo. A nova entidade comunitária terá sede em uma sala cedida pela Carvalho Hosken no Ed. West do CEO.

De início recebe o apoio financeiro da ABIH e da Carvalho Hosken com a adesão da ACIR, ACIBARRA, AMAR, BARRALERTA, CCBT, 31º CCS e Rio Convention & Visitors Bureau.
Ambos os projetos são importantes e se complementam.
Frente a um quadro de crise financeira toda a população da Barra está sendo mobilizada para exercer sua cidadania e cumprir sua responsabilidade social.

 

Kleber Machado